Crianças e gatos: como conviver

Crianças e gatos: como conviver

Ainda é comum algumas pessoas terem receio sobre a convivência entre gatos e crianças.  Segundo Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal, gatos podem adorar as crianças, apesar de não serem tão sociáveis como os cães, eles demonstram carinho e afeição pelo dono. Logicamente que alguns cuidados devem ser tomados, visando o bem-estar de ambos – crianças e gatos – sempre com uma boa dose de paciência e sensibilidade.

É importante ensinar a criança a brincar com o bichano. Eles adoram deixar aflorar seu instinto caçador e, muitas vezes, mãos e pés dos humanos se tornam a caça preferida deles. Por isso, para evitar arranhados e machucados, deve-se ensinar a criança a utilizar sempre um brinquedo quando for interagir com o gato, oferecendo, por exemplo, um bicho de pelúcia para que seja a “vítima” dos abraços e arranhões do bichano.

 

Como lidar com a chegada do bebê

Alguns gatos sofrem com mudanças drásticas de rotina, de espaço e com a invasão de território por desconhecidos. Isso tudo pode acontecer quando uma família recebe um bebê em casa, por exemplo. Para evitar estressar demais o felino, procure fazer as mudanças aos poucos, de modo que ele vá se adaptando e perceba que não há problemas ou perigo.

 

Interações positivas

O gato que recebe carinho, atenção e petisco quando o bebê está por perto passa a adorar essa proximidade. São agrados que podem ser feitos por qualquer pessoa que esteja próxima aos dois.

É importante, em qualquer situação, respeitar o tempo e o espaço do gatinho. Caso ele esteja demorando a se enturmar com bebês ou crianças, deve-se ter paciência e persistência nas associações positivas, para que o objetivo seja alcançado.

 

Fonte: caocidadao.com.br

 

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).