A chegada dos dentinhos

A chegada dos dentinhos

Para muitas mamães, a hora da visita da “fada dos dentes” representa um pesadelo. É seu caso? Então, vamos logo encarar esses fantasmas e clarear as dúvidas.

Para a maioria dos bebês, o início da dentição acontece ao redor do sétimo mês de vida. Mas há muitas variáveis. Alguns iniciam o processo já no terceiro mês e outros só no 12° mês de vida. O que costuma definir a idade do aparecimento dos dentes é a hereditariedade, ou seja, os padrões de dentição dos pais.

Porém, os sintomas aparecem muito antes dos próprios dentes. Em média, até 3 meses antes. E é aí que reside o nosso sufoco. Veja algumas dicas para aliviar os principais incômodos dessa fase.

– Excesso de saliva, que pode provocar dermatite (inflamação da pele): de dia, limpe sempre a boca do bebê com um pano macio e, de noite, coloque uma toalha embaixo do lençol (na altura do rosto do bebê) para absorver a saliva. Se a dermatite for intensa, procure um pediatra!

– Necessidade de “morder”: pode ser a mama da mãe, o dedo do pai, a própria mão, absolutamente qualquer coisa. É que a contrapressão da mordida alivia a pressão e o desconforto que o bebê está sentindo na gengiva. Tenha sempre por perto um mordedor de borracha. Eu recomendo os que possuem gel no meio e podem ser colocados na geladeira, pois aliviam também a inflamação na gengiva.

– Dor: muitas vezes o aparecimento do dente é acompanhado de muita dor! Nestes casos, converse com o pediatra e veja a possibilidade de usar um analgésico. Mas CUIDADO: muitas mães acabam usando, sem autorização médica, alguns remedinhos para uso tópico (pomadas) que contém anestésicos. Leia bem o rótulo e converse com seu pediatra para evitar qualquer efeito colateral!

– Fezes amolecidas: alguns pediatras não relacionam este sintoma com a dentição, mas ele é muito relatado pelas mães. Não sabemos se pelo excesso de saliva engolida, ou pela inflamação da gengiva, mas isso pode acontecer com seu bebê também. Mas se houver o aparecimento de diarreia (fezes líquidas), com a presença de muco e traços de sangue, você deve procurar um pediatra porque pode ser uma infecção maior, com risco de desidratação. Dentes não causam sintomas tão intensos como diarreia.

– Febre: uma febrinha baixa (entre 37,5°C e 38°C) pode estar associada à inflamação gengival, que acontece pela ruptura dos dentes. Controle essa temperatura com um termômetro e se ela subir além do limite, procure o pediatra.

– Acordar à noite: este sintoma é um dos que mais incomodam a família, pois justo quando o bebê já estava dormindo bem, quase a noite toda, os despertares se intensificam. Não há muito o que fazer, além de ter muita paciência e seguir os conselhos anteriores. Tente também o seguinte: oferecer ao bebê objetos gelados para morder, fazer massagens na gengiva, compressas com chá gelado de camomila e amamentar!

Logo logo esta fase passa…


Fonte:  grande mestra Dra. Gabriela Dorothy de Carvalho- Odontóloga, especialista em amamentação.

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).