Sexualidade e gestação

Sexualidade e gestação

Por incrível que pareça, esse assunto ainda é tabu para algumas mulheres e para muitos homens. Às vezes, até com o próprio médico existe um certo constrangimento ao tratar do tema. Por isso, vamos logo direto ao ponto principal: não há problema algum em manter relações sexuais durante o período gestacional, desde que seja liberado pelo médico. E ao contrário do que muitos pensam, o sexo pode e deve ser estimulado porque é uma excelente forma de fortalecer o vínculo afetivo no casal. E também uma fonte de prazer para o bebê, já que o útero é inundado pelos mesmos hormônios que levam a mulher ao orgasmo.

O problema é que devido às transformações que ocorrem em seu corpo, muitas mulheres sentem uma queda em seu desejo sexual. Outras, felizardas, ficam com o “apetite sexual” muito mais acentuado, mas seus companheiros têm receio de “machucar” o bebê na penetração. Como se vê, há problemas para todos os gostos.

A minha dica, no primeiro caso, é chamar seu parceiro e conversar. Explique que não há nada de errado com ele, simplesmente, seu corpo está passando por drásticas mudanças hormonais que podem estar deixando você mais ” apagadinha” sexualmente. Mas destaque que o amor e o carinho são os mesmos. Aproveite e abra seu coração, fale o quanto você tem andado carente e que precisa ser paparicada nesta fase.

Por outro lado, acho que você não deve se acomodar e deixar assim mesmo. Estimule situações que contribuam para o aumento do seu desejo sexual.  Altas doses de romance, luz de velas e carinho operam milagres.  Durante o ato, busque encontrar as melhores posições para ambos.

No segundo caso, acho que a conversa também é o caminho. Explique para seu companheiro que namorar com prazer só faz bem ao bebê. O corpo feminino recebe uma explosão de endorfinas e hormônios, como a ocitocina. E caso a penetração não esteja liberada, por ordem médica, invista em novas formas de prazer, como carícias e beijos.

Eu garanto que o bebê não sentirá nada, nem será atingido negativamente por nada.

Fazer amor beneficia a mãe, o pai e o bebê!

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).