Amamentação: a hora de aprender é na gestação!

Amamentação: a hora de aprender é na gestação!

Sim, amamentar é um gesto natural. Mas quem foi que disse que disse que é fácil e não precisa de preparo e aprendizado? Mesmo já tendo passado por algum tipo de dificuldade, as avós, as amigas, as mães não passam todas as informações e conhecimento necessário para a gestante. Além disso, na nossa sociedade os mitos e palpites de todos os lados acabam atrapalhando e deixando a nova mamãe à deriva num mar de dúvidas e ansiedade. Conclusão: o corpo fica sem ocitocina na dose certa para descida do leite e a mulher entra em desespero. A partir desse momento, tudo vira um ciclo vicioso, uma verdadeira bola de neve.

O sucesso desse ato tão importante de amor e saúde para os bebês começa com conhecimento e informação ainda na fase da gestação. A insegurança e os anseios sobre os cuidados com o bebê são comuns principalmente nas mães de primeira viagem. Mas, a confiança vem quando a mulher busca aprendizado antes mesmo do nascimento do bebê. Ela fica mais tranquila quando sabe o que esperar de cada etapa, e como lidar com os possíveis desafios.

Afinal, após o parto, nasce também uma mãe e uma família. E, ao voltar para a casa com o bebê, um mundo novo e repleto de aprendizados diários tem início. Para que a família possa enfrentar os desafios e tomar decisões é preciso preparo. Muitos pensam que para amamentar com sucesso basta o instinto materno e o desejo. Ledo engano. Pesquisas mostram que apesar da grande maioria das mulheres desejarem muito oferecer seu leite aos seus bebês, poucas conseguem realizar esta prática de forma exclusiva, e muitas acabam desmamando muito antes do que desejavam. Por que isso acontece? Por que na grande maioria dos lares brasileiros a realidade é tão diferente do que se esperava na gestação? Porque a realidade prática da grande maioria das mulheres no pós-parto não é como mostram os filmes e as novelas de televisão, de puro romantismo. Existem os tropeços iniciais no ato de amamentar, tais como fissuras, empedramento, solidão e mastite. Não devemos esconder esta realidade das gestantes. Ao contrário, devemos prepara-las desde a gestação para enfrentar o que der e vier. Pois a diferença entre o sucesso e o fracasso da amamentação não esta na ausência de dificuldades, mas sim, na habilidade da mulher e da família de lidar com os desafios naturais que envolvem a amamentação. Esperar a chegada do bebê para lidar com os problemas é como lidar com o leite derramado no fogão. O ideal é baixar a fervura desde a gestação, através de conhecimentos adequados.

Com carinho, Dra. Lu

 

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).