Amamentação e desenvolvimento intelectual

Amamentação e desenvolvimento intelectual

Olha que boa notícia!
Pesquisa inédita publicada pela revista médica britânica “The Lancet”, que acompanhou por 30 anos um grupo de quase 3.500 bebês nascidos em 1982 no município de Pelotas (RS), concluiu que o bebê mama no peito por mais tempo, possui maiores níveis de inteligência, escolaridade e renda financeira quando adulto. Isto mesmo!

Quanto mais o bebê amaneira maior são as chances de ter uma boa condição financeira $ no futuro!!

Eles constataram que uma criança amamentada por um ano obteve, aos 30 anos, quatro pontos a mais no escore de QI, quase um ano a mais de escolaridade e a renda aumentada em R$ 341, quando comparada a um bebê que mamou menos de um mês.
A pesquisa também revelou que o desenvolvimento intelectual está diretamente relacionado à presença de ácidos graxos saturados no leite materno, essenciais para o desenvolvimento do cérebro.
Segundo o professor das universidades de Harvard e de Oxford, Victora, “o leite humano é uma substância viva, com células-tronco e anticorpos. A biologia está só começando a desvendá-lo. A indústria alimentícia tenta copiá-lo, mas nunca vai copiar essa parte viva, que é insubstituível”.
Eu concordo plenamente com esta afirmação e por isso, em todas as entrevistas que dou, no meu livro, ou aonde quer que eu esteja, faço questão de salientar a importância e os benefícios para as mamães e bebês sobre o aleitamento.
Eu espero que estas pesquisas sejam levadas a sério não apenas pelo Ministério da Saúde brasileiro, mas também, pelos Ministérios do Planejamento e da Fazenda assim como disse o professor Victora. “Investir na amamentação é investir no capital humano da próxima geração.”

 

 

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).