Coisas que as mães detestam

Coisas que as mães detestam

 

Muitas mães se acham “cricas” por colocarem regras e ficarem descontentes com algumas atitudes inconvenientes de amigos e parentes. Se isto estiver acontecendo em sua casa, tudo bem. Apenas tente lembrar sua companheira que ninguém faz nada por mal. Apesar do amor e do carinho, muitas vezes as pessoas possuem mitos e hábitos inadequados, além da desinformação.

Outra coisa que você, pai, pode fazer para tentar blindar a nova mãe de atitudes que tragam desconforto e até raiva, é criar regras de convivência familiar – de preferência, desde a gestação.

Regras de convivência para o pós-parto  

  1. Não acorde o bebê quando finalmente ele dormiu!
  2. Não fique passando o bebê de colo em colo;
  3. Não deixe que as visitas peguem o bebê no colo (sem a autorização prévia da mãe);
  4.  Não deixe que as visitas beijem a mão e o rosto do bebê;
  5.  Não reclame que o bebê vai ao peito toda hora (entenda que a recomendação mundial é amamentação exclusiva e em livre demanda!);
  6. Não fique perguntando por que a criança chora tanto (lembre-se que bebês são bebês!);
  7. Não espere noites longas e tranquilas (especialmente nos primeiros meses de vida);
  8. Não fique perguntando, sem parar, se o bebê não está com frio, calor, fome…(confie na sua esposa!)
  9. Não permita que os familiares interfiram no cuidado estabelecido, só por que no tempo deles as coisas eram diferentes (troque ideia com sua parceira);
  10. Não faça comparações, sejam da criança ou da mãe…..

 

Minha sugestão é que você se inspire nas frases acima e crie  junto a sua companheira regras de convivência familiar. E depois divulgue-as para todos: cole na porta, na geladeira, num post do Facebook ou mande um e-mail para os amigos e parentes queridos.

Sua companheira, com certeza, vai agradecer sua ajuda. E o clima na sua casa vai ficar mais tranquilo. Tente e me conte depois.

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).