Desafios do retorno ao trabalho

bebeBlog

A lei brasileira garante 120 dias de licença maternidade para as novas mamães. A extensão da licença para seis meses é facultativa, depende da vontade de cada organização e de cada profissional. Esse tempo maior já é oferecido em muitas instituições públicas e empresas privadas que têm o selo “amiga da amamentação”.
Mas o fato é que, na hora H, para a maioria das mulheres, o tempo sempre parece pouco. A hora de voltar a trabalhar é muito desafiador para qualquer mamãe. Não há como não sentir angustia. Algumas, nesse momento da vida, até repensam sua carga horária de trabalho, o emprego atual, ou mesmo seu trabalho como um todo! Qual mãe não sentiu vontade (mesmo que rápida) de jogar tudo para o alto e assumir o trabalho maternal em tempo integral?
Contudo, essa ideia não é viável para a grande maioria das mulheres – e nem a opção racionalmente desejada. Afinal, não há nada de errado em ter uma vida profissional.
Portanto, a primeira dica é: fuja da culpa e dos extremismos!
Assim como nossa mão tem cinco dedos que se complementam para realizar as tarefas, nós mulheres possuímos mais do que um papel social, sem que isso prejudique nosso desempenho em cada um deles. Somos mãe, esposa, namorada, administradora do lar, profissional, filha, amiga, irmã…
Eu, pessoalmente, aprendi com minha amada mestra, em uma das minhas crises pessoais de identidade (durante o pós-parto da minha primeira filha gabi, hoje com 11 anos), que não devemos tentar nos satisfazer com um papel social apenas. Podemos e devemos ter múltiplos desafios, pois só desta forma estaremos realizadas.

Não incentivo a terceirização do bebê (por exemplo, ter três babás: dia/ noite /folgas), nem a abstinência da vida social da mãe e do casal.

Para mim, me realizar profissionalmente foi bom porque me fez ser uma mãe melhor! Eu aprendo mais a cada dia, pois ao sair de casa e vivenciar desafios outros – que não a troca de fraldas, o banho, a amamentação (não que eu não curtisse ser mãe, pois curti muito!) – eu cresço como pessoa. Além disso, ficar algum tempo fora do meu lar, me permite ter saudades de casa e das minhas filhas (enormes agora!), o que me faz ser mais paciente e sensata.

Meu marido, com toda razão do mundo, afirma que pelo bem do nosso casamento, eu devo
trabalhar, pelo menos algumas horas por dia.

Na minha humilde opinião, o segredo do sucesso para ser uma mulher feliz, ter uma família feliz e um bebê feliz, é encontrar o difícil – mas necessário – equilíbrio!

Então, vamos às dicas para as mamães que estão em licença maternidade: se você está se sentindo sufocada, esgotada e às vezes com raiva da situação, saiba que estas sensações são comuns e até normais nesta fase. Não sinta culpa. Uma boa saída, de vez em quando, é deixar o bebê com uma pessoa de confiança e dar uma escapada, sozinha, para respirar e se reabastecer. Nem que seja só para dar uma volta com o cachorro até a esquina ou ir à padaria. Um jantar a dois também faz milagres pelo seu humor nesta fase, nem que seja em um fastfood.
Agora, uma dica para as mamães que já voltaram a trabalhar: tenha fé! Tudo se resolverá de um jeito ou de outro. Mande as opiniões alheias e a sua própria culpa pro inferno!! E faça o seu melhor. Lembre-se que você não é perfeita (porque ninguém é). Não crie expectativas irreais. O seu bebê não necessita ter uma mãe perfeita, mas sim, uma mãe que o ame e que lhe dê o melhor que pode.

Boa sorte para todas nós!

Com carinho,

Beijos da Dra. Lu
(eu sou mulher, mãe, profissional e até hoje busco aprender a arte do equilíbrio entre os papéis sociais…)

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).