Fumo passivo traz risco ao bebê

Fumo passivo traz risco ao bebê

Todos sabem que fumar faz mal à saúde. Também não é novidade que fumar na gestação aumenta o risco de abortos espontâneos e também do bebê nascer com baixo peso. Mas o alerta agora é para o perigo silencioso do fumante passivo durante a gestação!

O resultado de dezenove estudos, publicado no Pediatric, mostrou que a gestante fumante passiva, ou seja, que permanece ao lado de pessoas que fumam, tem um risco maior de ter um bebê com malformações congênitas ou de o bebê nascer morto.

Os números são assustadores. Grávidas não fumantes que tem contato com a fumaça do cigarro (normalmente do companheiro, pai do bebê) correm um risco 23% maior de que o bebê nasça morto, e risco 13% maior de que o feto apresente malformação.

No pós-parto o cigarro também é um grande vilão, pois aumenta a chance do aparecimento da terrível doença chamada morte súbita, quando um bebê, aparentemente saudável e forte, adormece e morre, sem uma causa aparente.

Se você é gestante e fuma, ou se é casada com um fumante, procure tratamento específico e deixe o cigarro o mais longe possível. Sua gestação é uma excelente razão para iniciar uma vida mais saudável.

Não confie na sorte quando se trata da saúde de seu filho(a)!

 

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).