Homens com diploma universitário adiam a paternidade

Homens com diploma universitário adiam a paternidade

 

Um estudo da Pew Research Center revela que há, sim, uma relação direta entre a formação acadêmica de um homem e a probabilidade dele ser pai. Foram acompanhados homens entre os 22 e os 44 anos de idade. Veja os resultados e observe, primeiro, a precocidade dos pais de primeira viagem:

– 77% dos homens que nunca cursaram uma universidade tiveram o primeiro filho antes dos 25 anos;

– 45% dos homens que cursaram um ou mais anos de um curso superior, mas não concluíram a faculdade, tiveram o primeiro filho também antes dos 25 anos;

– 14% dos homens que concluíram uma universidade tiveram filhos antes dos 25 anos.

Veja agora, segundo o estudo, como o grau de instrução maior adia a paternidade:

– 9% dos homens que não têm faculdade são pais pela primeira vez entre os 30 e os 44 anos;

– 44% dos homens com curso superior foram pais pela primeira vez entre os 30 e os 44 anos.

O estudo não traz conclusões sobre esses resultados, apenas os relata. Mas nós podemos aqui ensaiar algumas interpretações. Ao que parece, os homens que querem investir numa carreira e numa formação universitária mais sólida, adiam o projeto de serem pais. Algo bem parecido com o que observamos nas mulheres que têm um foco importante de suas vidas voltado para a vida profissional. Porém,  os homens  têm uma vantagem extra em relação as mulheres. Como a fertilidade deles não se altera muito com o passar dos anos (diferentemente das mulheres que estão sobre a pressão do relógio biológico), eles podem adiar ainda mais a decisão de ter um filho.

Por um lado, isso é positivo. Afinal, os bebês terão pais mais maduros e estabilizados financeiramente. Mas por outro lado fica uma dúvida: esses pais quarentões terão o mesmo pique e a mesma vontade para participar ativamente da vida de seus pequenos, para brincar no chão e jogar futebol?  Essa resposta cabe a cada pai e a cada família.

O que é certo e´que novo ou mais maduro, não importa, o filho precisa muito da participação ativa do pai para ter um desenvolvimento pleno.

Qual a sua opinião?

 

Fonte: www.observador.pt

 

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).