Meus filhos? Nossos filhos? Filhos do mundo….

 

Estou esta semana nos Estados Unidos, em um Congresso Internacional de Consultoria de Amamentação…sozinha…sem minha família.

 E acredite, apesar de feliz e realizada profissionalmente, me pego olhando demoradamente para crianças, e repensando minha vida, minhas prioridades…

Tenho pensado muito em minhas pequenas filhas. ( Gaby 8 e  Isa 4 anos).

E apesar de estar recebendo notícias diárias de que estão bem, se divertindo muito na casa da avó, junto ao meu amado marido… ainda assim sofro esta ausência, como se uma parte de mim faltasse…

Não se sinto completa! E sei por relato pessoal que diversas mamães (de todo o mundo) que estão aqui comigo no Congresso, que elas estão sentindo o mesmo… 

Ser mãe é realmente um desafio, pois na presença de nossos filhos muitas vezes estamos mais cansadas do que gostaríamos…e  não conseguimos desfrutar o quanto deveríamos de sua doce companhia…

Mas na ausência deles (que seria a oportunidade perfeita para esquecermos e descansarmos), nos sentimos  incompletas !

Madona, a super cantora Pop, relata em uma de suas entrevistas algo que hoje, mais do que nunca, pude entender melhor…

” Em casa (sem trabalhar) me sinto um potencial desperdiçado, no palco ( na turnê) me sinto uma péssima mãe!”

Eu pergunto….

Como achar o equilíbrio? Como desfrutar o tempo que passamos com nossos filhos?

Eu respondo….

Continuar buscando, dia após dia o equilíbrio.

 Lutando por dar o melhor de si, sem desejar ser perfeita.

Entender que é  impossível dar 100%  em todas as áreas, ao mesmo tempo, mas que é sim possível priorizar. Escolher a cada momento, a cada hora do dia, o que queremos dar atenção e então, nestas horas, FOCAR ( dar 100% de nós) no que escolhemos…seja família/marido/trabalho/eu mesma.

É duro…eu sei,  confesso que busco com exautão esta meta, pois nos mulheres  temos a triste mania de srrmos dispersas….e  por isto, eu acredito que para nossa felicidade, a felicidade de nossa família e de nossos filhos,  devemos aprender a FOCAR!

Esta frase do Saramago, que recebi hoje por email, por grande coincidência (como se coincidência existisse, coisa que não acredito) tem tudo haver com  a experiência que estou vivenciando, e quero compartilha-la com vocês.

“Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isso mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como?
Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo!”
                                                                   José Saramago

Minha Prece pós-frase:

Rogo a ti Deus para que me ilumine o caminho, ainda falível de mãe,  para que eu possa zelar o melhor possível dos meus “empréstimos” tão valiosos cedidos por vos, minhas pequenas: Gaby e Isa,  para que eu seja a cada dia uma mãe melhor. Amém!

Com amor e carinho,

Dra. Lu ( direto de San Diego/EUA)

OBS- A foto de minhas pequenas esta antiga…mas eu a adoro, por isto quiz compartilhar com vocês.

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).

There is 1 comment for this article
  1. Camila Fernandes at 21:39

    Lú, você é maravilhosa !!! E a Gabi a Isa também !!! Você é um exemplo de mãe, de amiga, de médica e principalmente de ser humano com um ótimo coração !!! Amo vc amiga !!!