O parto antes da hora

O parto antes da hora

Nada, nem ninguém, pode preparar totalmente uma família para a chegada de um bebê prematuro. O parto deveria ser um momento de alegria e de realização, mas a prematuridade traz à tona diversos outros sentimentos e emoções, como dor, medo e frustração. Não há nada mais duro para uma mãe, uma família, do que sair do hospital sem o bebê.

Nesta situação é normal, e até esperado, que os pais e os demais familiares fiquem confusos e atordoados. Especialmente, se o bebê necessitar de cuidados numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Mas quero lembrá-los de uma coisa. Apesar do bebê necessitar de todos os aparatos tecnológicos e cuidados médicos para sobreviver, a presença materna e paterna é essencial ao pequeno novo ser. É por isso que o casal não deve se intimidar diante de tantos aparelhos, protocolos e regras hospitalares. Faça o que for preciso, mas esteja sempre ao lado do bebê, de preferência em contato pele a pele. Isso pode fazer toda a diferença. Para você e para ele.

A ciência já comprovou que a mãe que usa o método canguru – envolvendo o bebê ao próprio corpo desnudo com um tecido – proporciona ao prematuro diversos benefícios. Foram notificadas, por exemplo, melhor regulação da respiração, da frequência cardíaca, da temperatura corporal, da oxigenação, da taxa de glicose sanguínea e a redução do choro e de quadros de apneia.

O contato pele a pele entre mãe/pai e bebê também proporciona a estimulação sensorial necessária para um melhor desenvolvimento cerebral. É que o cérebro dos bebês se forma desde o início da gestação, mas principalmente durante o terceiro trimestre. Então, o bebê que nasce prematuro perde a oportunidade de passar por este desenvolvimento no lugar mais adequado, que é o ventre materno. Daí a importância do aconchego pele a pele. Se você teve um bebê que nasceu prematuramente e que ainda está internado, converse com a equipe médica e peça que, assim que possível, permitam o contato entre vocês. Se você já levou seu bebê prematuro para casa, acolha-o no mínimo duas vezes por dia, por um período de 90 minutos de cada vez, em contato pele a pele. Use o sling ou uma blusa sua para que vocês fiquem envolvidos nesse longo e terapêutico abraço de canguru.

Lembre-se: sua presença, seu amor e seu colo são o melhor remédio. Não tenha medo de manhas ou manias. Faça de você mesma um ninho para seu bebê. O colo materno é a chave do desenvolvimento de um ser prematuro e o pai deve ser o pilar de sustentação deste colo, desta mulher, desta família. Aninhem-se!

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).