Rotavírus: prevenir vale a pena

Rotavírus: prevenir vale a pena

Vocês já devem ter ouvido falar sobre ele, já que  é uma das principais causas de diarreia grave em crianças até cinco anos de idade, embora possa ocorrer também em adultos. O rotavírus possui um período de incubação de 4 a 10 dias, mas geralmente menor (um a dois dias).

Para quem não sabe, existem sete grupos desses vírus, denominados A, B, C, D, E, F e G. O tipo A é o mais comum, sendo responsável por mais de 90% das infecções em seres humanos. Mas por que ele é tão perigoso? Simplesmente, porque ele é facilmente transmitido ocasionando uma diarréia aguda além de provocar surtos em escolas, berçários, creches e hospitais.

A sua transmissão se dá através da via fecal-oral ou provavelmente por secreções respiratórias de pessoas infectadas e também pode ser transmitido por alimentos contaminados e água contaminada.

Geralmente, é percebido rapidamente por causar essa diarreia e por vômitos, dor abdominal, náuseas, febre alta e mal-estar geral. O grande problema é que, em crianças, ocorre uma desidratação muito rápida o que é extremamente preocupante.

Não há um tratamento específico para o rotavírus. Por isso, é importante oferecer muito líquido como água, sucos, chás e água de côco para repor a quantidade de líquidos perdida com os vômitos e a diarreia. Nos casos mais leves, um soro caseiro feito com água com sal e açúcar, resolve.

Eu costumo de dizer que o melhor tratamento é evitar ficar doente. Como dizem as mais velhas: “o prevenido vale por dois”. Então, anotem as minhas dicas:

  • Lavar bem as mãos com água limpa e sabão.
  • Lavar os alimentos e as frutas a serem consumidos crus em solução desinfetante (costumam dar nos postos de saúde gratuitamente).
  • Usar água tratada para beber ou para preparar alimentos.
  • Lavar sempre as mãos após usar o banheiro e antes de preparar alimentos.
  • Desprezar adequadamente fezes e fraldas contendo material fecal.

Lembrem-se sempre de manter a carteirinha de vacinação em dia. A vacina que previne a doença faz parte do Calendário Nacional de Vacinação desde 2006. A Vacina Oral de Rotavírus é aplicada em duas doses para crianças aos dois meses e aos quatro meses de idade.

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).