Quanto tempo o leite demora para descer após o parto?

 

Imediatamente após a saída da placenta, ocorre estímulos hormonais que estimulam a saída do Colostro. O Colostro é o primeiro leite que o bebê tem à sua disposição, é muito importante e deve ser oferecido a ele o quanto antes. É como se fosse uma vacina para o bebê e o protege de doenças, além de estimular o funcionamento do intestino, sendo uma importante prevenção da icterícia neonatal (“amarelão”). O colostro tem um aspecto diferente do leite que conhecemos, é mais amarelo e espesso, e vem em pouquinha quantidade. Por isso a mama não vai ficar cheia logo após o parto, nem irá ter leite jorrando.

Isso poderá começar a acontecer entre o 2 e o 4 dia após o parto, quando temos o que chamamos de “Apojadura” ou “ descida do leite”. Nesta fase a mama fica cheia, pesada, dolorida e endurecida, e temos a liberação do leite de transição, que já tem “mais cara e leite”. Mas este processo pode sofrer um pouquinho de atraso dependendo se o bebê está sugando direitinho desde a primeira mamada, e de como está o estado emocional da mãe (se ela está muito cansada, com dor, preocupada). Estas condições interferem na ação da ocitocina, hormônio responsável pela descida (ejeção) do leite.

Por isso é muito importante estimular a amamentação corretamente desde o nascimento, especialmente desde a primeira hora de vida.  A ajuda de profissionais especializados, o apoio real da família e o desejo  de amamentar são fatores essenciais para este período.

 

Carolina Guimarães – Equipe Aninhare

(Enfermeira Obstetra e Consultora de Aleitamento Materno)

 

 

Referencia:

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde, 2009b. 112 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 23).

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Infant and young child feeding. Model chapter for textbooks for medical students and allied health professionals. Geneva: World Health Organization, 2009. 111 p.

 

Escrito por Dra Luciana Herrero Ver todos os posts deste autor →

Esclarecimentos: 1- Esse blog não substitui as consultas de pediatria ou consultas médicas em geral. Tem como objetivo promover educação em saúde, favorecer o vínculo familiar e o estímulo a amamentação. 2- Dra. Luciana Herrero, apesar de possuir a formação em pediatria, não realiza atendimentos pediátricos. Trocou a clínica pela educação. Atua somente como educadora familiar, escritora e coordenadora da Aninhare (www.aninhare.com.br).